Febre em 2004 o clássico Motorola Razr V3 era sonho de consumo quando se falava em telefone celular. E isso não é difícil de saber o porque, o aparelho era um luxo, com sofisticação e apresentou além de design uma configuração muito interessante para a época, quem pegou essa época vai saber do que estamos falando.

O novo modelo, lançado o ano passado trouxe toda a nostalgia do modelo de 2004 mas adicionando o “smart” que fazem as nossas atuais linhas de telefones celulares. O modelo atual manteve a ideia de flip do anterior, mas agora com a “inovadora” tela dobrável, mas o que mudou na real nos dois modelos? Tenham em mente que a ideia aqui não é dizer qual é melhor, seria injusto fazer isso.

Design

A Lenovo/Motorola manteve bastante do modelo anterior e por isso esse seja o detalhe mais nostálgico já que manteve o flip e adotou a tela dobrável. Em comprimento o modelo de 2004 consegue ser maior, quando fechado, do que o atual, mas a largura e aberto o modelo de 2019 supera bastante o primogênito, mas fechado ambos sem bem parecidos principalmente pela parte da carcaça onde fica o microfone ser praticamente igual, sem contar nas formas arredondadas.

Tela

Ele possuía duas telas a principal ou a de “dentro” tinha 2,2 polegadas TFT LCD com resolução de 176×220, top de linha para a época e a secundária tinha 96×80 pixels. Falando especificamente dessa tela secundária ela tinha a função de mostrar informações como data e hora e o nível de bateria.

No Razr de 2019 temos na tela principal a tecnologia P-OLED, dobrável, HD+ 2142x 876 pixels com densidade de 373 ppi e 6,2 polegadas e para segunda tela temos 2.7 polegadas G-OLED com resolução de 600×800. ambas são touchscreen e na segunda você pode responder a mensagens por exemplo sem precisar abrir o celular.

Para a época o V3 trouxe uma tela inovadora já que empregou a tecnologia TFT e gigante que possui cerca de 256 mil cores, se for relacionar com a tecnologia da época a tela do V3 de 2004 é tão tecnológica quanto a do modelo de 2019, nas devidas proporções é claro, sem contar que a segunda tela além das informações básicas que falamos, ainda poderia colocar um papel de parede.

Câmeras

Para Razr de 2004 tínhamos uma câmera VGA com um zoom de 4x apesar de atualmente não acharmos nada demais, mas ter uma câmera e com zoom era sinônimo de tecnologia avançada e tinha muita qualidade sim senhor, bem a frente do seu tempo, eram 176×144 de resolução e ainda tínhamos os modos de luz ensolarado, turvo e noite para vídeos.

No Razr de 2019 temos uma câmera com sensor ToF 3D para auxiliar no modo retrato com 13Mp, dual-pixel e com foco a laser automático, foco automático por detecção de face e abertura de f/1.7. Outra aposta da Motorola é no emprego de inteligência artificial para melhorar ainda mais a qualidade de suas imagens. Videos podem ser feitos em 4K à 30fps. Para câmera frontal temos 5Mp, abertura de f/2.0, HDR e com esse recursos é possível gravar vídeos em fullhd à 30fps.

Armazenamento

Para nosso Razr V3 tínhamos 5,5Mp para nos moldes atuais não poderia por nem caber uma foto ou música, mas com a qualidade dos arquivos da época, pequenos vídeos e algumas fotos eram sim possíveis de armazenar no dispositivo, vídeos de 1 minuto por exemplo e para falar a verdade era muito para a época.

O Razr de 2019 possui 128GB de armazenamento interno e sobre isso nem precisa falar, já que nem precisa comparar para saber que um coloca milhares de arquivos a mais do que seu antecessor.

Desempenho

Nesse sentido o Razr V3 de 2004 não temos como falar de informações sobre processador e nem de memória RAM, como é comum ao falar de celulares, mesmo assim ele já fazia muito mais do que o básico que era ligar e mandar SMS, tinha papel de paredes em 3D, suporte para reprodução de vídeos em MP4, toques MP3 e ainda uma interface bem intuitiva na época.

No de 2019 temos o Snapdragon 710 que é um modelo intermediário da Qualcomm que roda liso diversas aplicações e jogos, 6GB de RAM e vem com o Android 9 (pie) mas recebeu atualização para o Android 10 que é adaptado para funcionar direitinho com a tela dobrável, como por exemplo continuar o conteúdo da tela principal para a secundária quando ele for fechado.

Bateria

Aqui é um ponto interessante, ambos os modelos possuem a mesma autonomia de bateria. Para o V3 2004 temos 686mAh o que dava cerca de 1 ou um pouco mais de um dia de uso a depender se era intenso ou moderado e até baixo. No modelo atual temos uma bateria fraca em relação a outros modelos básicos disponíveis no mercado, que é de 2510mAh, a empresa não revela sua autonomia, mas saiba que não passa de um dia. Se comparar o Razr pela época de lançamento, o de 2004 é bem superior que o modelo atual.

Valores

O Razr V3 de 2004 custa cerca de R$230,00 em média enquanto seu sucessor custa o Razr 2019 cerca de R$4.000,00 uma diferença considerável entre os dois modelos.

Conclusão

Não podemos comparar em muitos aspectos se um é melhor ou não que o outro, temos que avaliar as épocas em que foram lançados e que de fato é um resgate ou tentativa, de um sucesso da empresa no começo dos anos 2000 e ainda mais lançar o seu celular dobrável.

A nostalgia esta nitidamente empregada já que além do design temos uma função secreta que ativa na tela um tema do Razr clássico de 2004, restringindo o touchscreen apenas para a parte onde ficam os números. É fato que muitos usuários reclamaram que o valor cobrado pelo modelo de 2019 é bem acima do que oferece suas especificações, e muitos sites justificam isso a sua tela dobrável e pelo fenômeno que o modelo de 2004 foi, e para você vale tudo isso?

Agora que tal usar nosso comparador de preços para sua compras? Lá além dos modelos que apresentamos, temos uma infinidade de produtos e não comparamos apenas preço, mas também frete com as informações pertinentes, se a loja possui cashback e ainda se o preço estiver alto você pode criar um alerta e se não sabe como veja o artigo Melhores ofertas na internet, tudo o que você precisa saber em 4 passos e para mais dicas é só dar uma olhada nas Dicas Especiais.

Sobre o autor

Paulo Canuto

Estudante de jornalismo, apaixonado por comunicação, música, cultura pop e tecnologia.

Ver todos os artigos