Mais câmeras, menos pixels - Motorola Moto G8

    Thursday, March 19, 2020, 04:52 PM
    Mais câmeras, menos pixels - Motorola Moto G8

    Uma das linhas de smartphones mais conhecidas no Brasil chegou de vez à oitava geração. O Motorola Moto G8 "normal" foi anunciado em março de 2020 ao lado do seu irmão Moto G8 Power. Com preço sugerido de R$ 1.299 no lançamento, o modelo não tem o forte apelo do custo-benefício que marcou as primeiras gerações da linha, mas traz um conjunto equilibrado de recursos.


    Design

    O Moto G8 é a prova de que dá para fazer um bom acabamento apenas com plástico. A traseira do modelo tem uma tampa (não removível) que se encaixa muito bem nas mãos e evita escorregamentos por conta da sua ótima aderência.

    É verdade que a traseira não é das mais resistentes. Em compensação, a embalagem do Moto G8 vem com uma capinha de silicone — é interessante como a disponibilização desse item pelos fabricantes vem se tornando comum.

    A traseira traz ainda, em boa altura, o leitor de impressões digitais. O componente é rápido e quase sempre acerta a leitura na primeira tentativa. Em complemento, dá para usá-lo para abrir a área de notificações arrastando o dedo de cima para baixo no sensor. Porém, é preciso ir em Configurações / Sistema / Gestos para ativar essa funcionalidade.


    Tela

    O Moto G8 traz uma generosa tela IPS LCD de 6,4 polegadas, só que a resolução é HD+ (1560x720 pixels). Não que o painel seja ruim. O problema é que, na comparação com a geração anterior, houve um retrocesso: a tela do Moto G7 tem resolução de 2270x1080 pixels.

    Mesmo no máximo, o brilho da tela do Moto G8 não é dos mais intensos, então você pode ter um pouco de dificuldade para enxergar o conteúdo do visor se estiver ao ar livre. Além disso, o ajuste automático do brilho é um tanto demorado.

    Apesar dessas desvantagens, a experiência de uso do display é boa se considerarmos a categoria do aparelho. A vivacidade das cores e a visualização decente sob ângulos variados conseguem compensar os pontos fracos.

    Um detalhe que não poderia passar em branco: o notch do Moto G8 é um círculo no canto esquerdo superior. Não estranhei essa posição, exceto pelo fato de que, em serviços como Netflix e YouTube, o "buraco" pode impedir que a tela seja bem preenchida com o vídeo.


    Software

    Software defasado? Nada disso. O Android 10 está presente aqui e vem devidamente acompanhado dos recursos que viraram marca registrada da Motorola: os gestos do Moto Ações (como o de balançar o celular duas vezes para ativar a lanterna), o Moto Tela (permite que você veja notificações sem desbloquear o aparelho, por exemplo) e a interface quase sem firulas.

    Para não dizer que não há novidades, o smartphone vem com o Moto Gametime, função que permite desativar notificações, recusar chamadas automaticamente e acessar um painel com atalhos enquanto você estiver jogando.

    De modo geral, o software do Moto G8 agrada, mas admito que eu esperava um destaque maior para o modo escuro. O sistema operacional mostra, na área de notificações, a opção Modo Noturno, mas ela apenas deixa a tela com uma visual alaranjado. Se você quiser que o modo escuro fique acessível mais facilmente, é necessário editar as opções dessa área para incluir nela a opção Tema Escuro.

    Câmeras

    Olhando pela primeira vez, parece que o Moto G8 tem quatro câmeras na traseira. Na verdade, são três: a primeira, de cima para baixo, traz lente grande angular (8 megapixels), a segunda é a principal (16 megapixels) e a terceira (2 megapixels) tem função macro. A que seria a quarta corresponde ao foco a laser, recurso que facilita a tomada de fotos à noite, por exemplo.


    Hardware e bateria

    O Moto G8 traz o mesmo hardware básico do Moto G8 Plus: processador Snapdragon 665 com GPU Adreno 610 e 4 GB de RAM, além de 64 GB para armazenamento.


    O Moto G8 vale a pena?

    Com tantos smartphones lançados pela Motorola nos últimos meses (a exemplo dos modelos One), o Moto G8 perdeu parte do protagonismo que seus antecessores ostentavam. Apesar disso, ele continua fiel à proposta de ser um bom intermediário. Bom, não ótimo.

    O acabamento é bem feito, o conjunto de câmeras não faz feio (exceção para a câmera de macro, relembrando), a autonomia da bateria não decepciona e o software é equilibrado: o Android é pouco modificado e, ao mesmo tempo, as tradicionais funções Moto são um bom complemento.

    No fim das contas, o Moto G8 só não fica no nível ótimo porque a tela merecia ser full HD (como no Moto G7) e o desempenho tem lá seus momentos de instabilidade, apesar de ser satisfatório na maior parte do tempo.

    Esses fatores fazem o Moto G8 valer a pena somente para quem conseguir comprá-lo com um bom desconto. Considerando o cenário econômico atual, R$ 1.299 não é um preço exatamente ruim, no entanto, os pontos fracos do modelo fazem dele uma opção menos interessante para essa faixa de preço.

    X Baixe o app e leve a melhor compra sempre com você Baixar Grátis